Quem faz quimioterapia ou radioterapia pode tomar sol?

Quem faz quimioterapia ou radioterapia pode tomar sol?

No período de verão, muitas pessoas vão à praia ou a áreas com sol para fazer atividades ao ar livre. Uma dúvida comum compartilhada por muitos pacientes oncológicos que estão em tratamento é: quem faz quimioterapia ou radioterapia pode tomar sol?

A resposta é sim. Mas apenas com os cuidados necessários. Afinal, sol, quimioterapia e radioterapia definitivamente não combinam!

Alguns medicamentos usados na quimioterapia são fotossensibilizantes, ou seja, podem deixar a pele mais sensível e causar reações cutâneas indesejáveis nas partes expostas ao sol. Com isso, a exposição solar indevida pode causar queimaduras solares mais rapidamente do que o normal e manchas escuras, devido a hiperpigmentação pós-inflamatória.

Além disso, os quimioterápicos também afetam o sistema imunológico, provocando uma baixa imunidade nesses pacientes. Então, eles ficam mais propensos a desenvolverem processos infecciosos, como micoses e infecções bacterianas, além de ser mais possível que alguma outra doença oportunista se desenvolva.

Acontece o mesmo com a radioterapia, que sensibiliza a pele nos locais irradiados. Aqui a pele fica mais seca do que o normal e existe um grande risco de desenvolver câncer de pele nas áreas afetadas pelo tratamento se não houver os cuidados necessários. Outra reação comum são as chamadas radiodermites, que são intensificadas pelo sol.

Em ambos os casos, é aconselhável evitar exposições exageradas, principalmente no horário entre às 10h e às 16h, no qual é mais presente a radiação ultravioleta UVB, a faixa mais ligada às queimaduras.

Independente do horário, o uso de protetor solar é obrigatório, sendo muito importante que o fator de proteção seja acima de 60 FPS e também que reaplique o produto a cada duas horas durante o dia!

Mas não se esqueça dos cuidados que vão além do protetor solar! Como manter a hidratação da pele, passando hidratantes e consumindo bastante líquidos; utilizar lenços ou chapéus, para uma proteção ainda maior; evite tirar cutículas para não gerar porta de entradas para infecções; tomar cuidado com o uso de lâminas de depilação para evitar irritações. Além de se secar bem após o banho para evitar o risco de micose!

Com esses cuidados, é possível aproveitar as altas temperaturas de maneira saudável e protegida, permitindo um tratamento mais confortável para o paciente! Mas essas dicas não devem substituir as recomendações do seu médico de confiança. Em caso de dúvidas, procure a orientação de um profissional especializado!

WhatsApp chat