Início do verão, o câncer de pele e o Dezembro Laranja

Início do verão, o câncer de pele e o Dezembro Laranja

Com sete anos de história recém-completados, o Dezembro Laranja é mais uma campanha que visa conscientizar a população sobre o câncer, desta vez voltada ao câncer de pele.

O mês de escolha para essa campanha não poderia ser mais propício, já que em dezembro ocorre o início do verão.

Por isso, aproveitaremos esse post para falar um pouco mais sobre o câncer de pele, sobre a campanha e os cuidados que devem ser tomados pelas pessoas durante a estação.

1. O câncer de pele e o Dezembro Laranja

É um dos tipos de câncer com maior incidência no Brasil, com aproximadamente 180 mil novos casos a cada ano, e no mundo também.

Apesar do número altíssimo de casos, é também um câncer com uma grande probabilidade de cura, tendo em vista que, quando diagnosticado precocemente, apresenta mais de 90% de chance de sucesso do tratamento.

Esse é um dos principais motivos que faz do Dezembro Laranja uma campanha tão importante, tendo em vista que a prevenção é o melhor caminho para evitá-lo ou aumentar as chances da doença ser detectada em estágios iniciais.

O câncer de pele possui duas classificações distintas, sendo elas: melanoma e não melanoma.

No caso do melanoma, este é um tipo mais raro, que pode apresentar mais complicações para o paciente e que pode aparecer em qualquer região do corpo.

O não melanoma é mais frequente, apresenta menor gravidade e costuma ocorrer em regiões do corpo das quais estão mais expostas ao sol como, por exemplo, rosto, pescoço e orelhas.

2. O que pode aumentar o risco do câncer de pele e como se proteger dele?

Bom, como no verão é comum que as pessoas fiquem mais expostas ao sol, seja pelas frequentes idas à praia, piscina ou por fugir da rotina habitual, o alerta para o câncer de pele é ligado.

Isso porque um dos principais fatores dele é a exposição prolongada e repetida ao sol, principalmente nos períodos da infância e adolescência.

Além disso, pessoas que tenham pele e olhos claros ou são albinas representam uma maior possibilidade de desenvolver a doença, assim como aqueles que possuem história familiar ou pessoal de câncer de pele.

Desta forma, para reduzir a possibilidade da manifestação da doença, é preciso evitar a exposição prolongada ao sol entre 10h da manhã às 4h da tarde, usar a proteção adequada caso esteja na praia como, por exemplo, sombrinhas, barracas, chapéu com aba larga e óculos escuros com proteção UV.

É imprescindível o uso de protetor solar, que também deve ser retocado caso você fique por um tempo considerável de tempo sob o sol, mesmo que o produto seja considerado “à prova d’água”.

WhatsApp chat