Câncer de próstata: devo começar o rastreamento a partir de qual idade?

Câncer de próstata: devo começar o rastreamento a partir de qual idade?

O câncer de próstata é um dos mais comuns no sexo masculino, aparecendo principalmente na fase adulta, com os primeiros sintomas a partir dos 45 anos. Com algumas dificuldades e um processo que pode ser doloroso, a prevenção é o único caminho para fugir do problema, colocando em foco a saúde dos homens.

Para promover a discussão, o Novembro Azul tem como objetivo conscientizar a população, demonstrando que o acompanhamento médico é fundamental para aqueles que querem viver com qualidade de vida e bem-estar.

Quer saber quando deve começar o rastreamento e as visitas ao especialista? Aproveite para conferir o conteúdo completo e saiba mais!

Quando realizar o exame?

Antes de colocar uma idade ou uma obrigatoriedade, é essencial entender que cada caso pode ser interpretado de determinada forma, levando em consideração o histórico e aquilo que é visto como importante pelo médico.

Entretanto, na maioria dos casos, o exame passa a ser indicado para aqueles que já passaram dos 45 anos e que possuem um histórico de doença na família. O procedimento também é indicado para os demais homens quando a idade é superior aos 60, ou seja, na terceira idade.

É importante ressaltar que, na maioria das vezes, a recomendação médica é que o acompanhamento seja feito a partir dos 50 anos, aumentando as chances de detecção e até mesmo de tratamento, quando os resultados indicam mudanças e fatores preocupantes.

Ligando o sinal de alerta

Já foi possível perceber que os sintomas podem direcionar uma atenção anterior, com anos antes para aqueles que estão convivendo com alguns problemas. Sendo assim, é essencial perceber os sintomas do corpo e o que está sendo vivenciado, conversando com o médico para entender o problema e o que pode ser feito em cada situação.

Na maioria dos casos, os sintomas principais são: micção frequente, vontade exagerada de urinar, sangramento, disfunção, fraqueza nas pernas e pés e fluxo urinário alterado. Ao perceber algumas das alterações, o primeiro passo deve ser o contato com o especialista.

Qual exame devo fazer?

Para aqueles que ainda não realizaram o procedimento, é essencial ter em mente que existem dois tipos de acompanhamento. O primeiro é feito pelo toque prostático, responsável por identificar o tamanho, a forma e a textura da próstata. Essa é a alternativa para identificar possíveis alterações no órgão.

A segunda opção é o PSA (Antígeno Prostático Específico), mecanismo utilizado para acompanhar e medir a produção de uma proteína encontrada na próstata.

Vale ressaltar que ambos os exames são importantes, mas que o médico será o responsável por direcionar qual deles pode ser o melhor para você, levando em conta o histórico e quais são os problemas que estão sendo relatados.

Por mais que o tema seja um tabu entre os homens, é essencial que a discussão seja promovida por todos, levando em consideração a diminuição dos casos e o cuidado masculino, capaz de salvar vidas e de melhorar a relação com o próprio corpo e os possíveis sintomas.

Compartilhe a sua jornada oncológica conosco

No CEON+, o objetivo é rastrear a pré-disposição à doença, com um programa personalizado para cada grupo de risco. Trabalhamos com uma equipe multidisciplinar que tem como objetivo rastrear possíveis sinais de pré-disposição da doença, criando uma abordagem de exames a serem feitos, realizando o acompanhamento dos pacientes e determinando o risco do desenvolvimento de câncer.

Quer saber mais? Clique aqui e marque uma consulta com a gente!

Siga o CEON+ nas redes sociais no Instagram, Facebook e LinkedIn.

WhatsApp chat