O que a imunoterapia tem a dizer sobre o tratamento de câncer?

Você já ouviu falar em imunoterapia? Ela foi eleita o maior avanço na luta contra tumores em 2017 pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica. O Centro de Oncologia do ABC já discutiu a respeito dos avanços no tratamento contra o câncer, e hoje fala um pouco mais a respeito desse tratamento que vem caindo nas graças dos especialistas.

Desde 2016 os tratamentos contra o câncer têm se revelado muito bem-sucedidos. Oito novas terapias foram aprovadas pela FDA (Food and Drug Administration), além de 12 novas vertentes para tratamentos já estabelecidos.

Uma das mais animadoras é a chamada imunoterapia. Resumidamente, a imunoterapia consiste em medicamentos que não têm o câncer como foco direto, mas visam auxiliar nosso sistema imunológico a detectar um tumor e atacá-lo.

 

 

Como a imunoterapia age?

O câncer “paralisa” as células de defesa, ludibriando as defesas do corpo para que não percebam a doença como uma ameaça, permitindo sua evolução. As drogas imunoterápicas revertem essa realidade e provocam uma reação que combata o tumor. Várias espécies de câncer, como o câncer de bexiga; cabeça e pescoço; pulmão e rins, além de melanomas e linfomas, já são alvos da imunoterapia para tratamento.

As primeiras pesquisas sobre a imunoterapia datam de 1881, mais de um século atrás, utilizando bactérias para estimular as defesas do corpo a responderem a um tecido com câncer. Foi apenas quase 100 anos depois que a primeira medicação que se utilizava desse princípio foi aprovada.

Os remédios atuam hoje em dia principalmente como inibidores de pontos de verificação imunológica, que garantem que as células protetoras não sejam “desperdiçadas”, utilizadas só quando necessário, evitando inflamações e doenças autoimunes.

Mais de setenta atividades biológicas são mediadas por meio de linfócitos, monócitos e macrófagos. Eles podem ser classificados como fatores auxiliares, supressores e reguladores do crescimento e citotóxicos.

 Quando a imunoterapia é indicada?

A imunoterapia, por ainda encontrar-se em fase experimental, requer uma espera de resultados mais contundentes sobre sua eficiência e capacidade de aplicação. O imunomodulador BCG é mais indicado para melanoma maligno e câncer de bexiga.

A Interleucina-2 é aconselhada para tratamentos de sarcomas; carcinomas e cólon e reto; sarcoma de Kaposi e adenocarcinoma de pulmão.

O Interferon é recomendado para mieloma múltiplo; melanoma maligno; leucemia de células cabeludas; linfomas malignos e outros tipos de leucemia.

O Levamisole é indicado para carcinoma intestinal, enquanto o Corynebacterium parvum é indicado para câncer de pulmão.

O que se nota é que a cada dia as terapias sofrem revoluções e a vida dos pacientes oncológicos se torna mais fácil e com uma maior chance de sobrevivência. O CEONABC tem orgulho de ser referência no tratamento contra o câncer e conta com duas unidades equipadas com tecnologia de ponta e profissionais altamente capacitados.

 

Venha conhecer o Centro de Oncologia do ABC. Siga-nos também no Facebook e Instagram para ficar por dentro de todas as nossas novidades, ações e campanhas.

Os avanços no tratamento oncológico

avanços no tratamento oncológico

Você sabia que a expectativa de vida do brasileiro aumentou quase 30 anos da década de 1950 para os dias de hoje? A medicina tem avanços a cada dia. Assim como a indústria, política e outros setores, também passa por momentos determinantes que revolucionam o cenário. Dessa forma, é muito bom saber que podemos estar perto de um desses momentos.

A cirurgia vem sendo cada vez menos agressiva. A intervenção robótica, por exemplo, garante menos sangramento, dor e a necessidade de analgésicos. Tudo isso além de um menor tempo de recuperação pós-operatória.

Mas o que realmente vai transformar os paradigmas e se tornar um ponto de virada na história?

 

REVOLUÇÕES NO TRATAMENTO

Depois de mais de uma década de estudos genômicos dos cânceres, avanços vêm surgindo. Novos tipos de remédios vêm ganhando espaço com o futuro da oncologia. Segundo a revista Science, eles prometem ser mais aceitos pelo organismo em relação à quimioterapia, além de mais eficientes, aumentando as chances de cura.

Com o uso dessas drogas, a probabilidade de um tratamento quimioterápico mais leve é bem maior. Isto é, quando ele for necessário.

COMO FUNCIONA

Um dos sistemas que pode se tornar a raiz das drogas inteligentes é a epigenética. Conforme envelhecemos, é de praxe que genes sejam alterados ou “desligados”. Isso pode causar vários tipos de câncer. Os reguladores epigenéticos reabilitam essas alterações e acabam com a doença.

Outra droga apresentada pela revista é capaz de atacar a família de genes RAS. Todos temos esses genes, que podem sofrer mutações, podendo gerar o câncer de tireoide e pâncreas, por exemplo, um dos mais complicados de se tratar e que recentemente levou o apresentador Marcelo Rezende a falecer. Com o tratamento mais efetivo de cânceres difíceis de cuidar, a mortalidade pode ser reduzida de forma bastante significativa.

Os inibidores da enzima polimerase (PARP-1) têm o papel de diminuir a chance de células abaladas pelo câncer se fortaleceram e criarem resistência contra a quimio, da mesma forma que os antibióticos se tornam ineficientes com algumas bactérias.

Isso já está sendo usado no tratamento de câncer de ovário. Mas as pesquisas acreditam que esse método pode ser usado em outros tipos de câncer.

 

AVANÇOS SEM ESQUECER DO QUE JÁ É REALIDADE

Vale lembrar que a medicina personalizada e multidisciplinar também é importantíssima. Isso se dá pela análise do perfil biológico do tumor e identificação das alterações genômicas. Esses fatores podem ter implicação na terapia que será empregada.

A abordagem conta com o diagnóstico anatomopatológico, biologia molecular, acompanhamento psicológico, nutricional, fonoaudiológico, etc.

O atendimento humanizado é também se tornou fator fundamental no tratamento, e deve ser trabalhado em todos os centros de oncologia, por toda a equipe envolvida com o paciente. Ele precisa se sentir respeitado e compreendido, além de contar com a total transparência e sinceridade da equipe que o acompanha.

O CEONABC conta com um staff altamente treinado e competente em suas unidades em Santo André e São Caetano. Estamos prontos para receber nossos pacientes e tratá-los da melhor forma possível. Agende uma visita e venha nos conhecer.

Siga-nos também no Facebook e no Instagram para ficar por dentro de todas as nossas novidades.

Brasil é um dos líderes em câncer de cabeça e pescoço

O câncer de cabeça e pescoço é um problema grave e atinge muitas pessoas ao redor do mundo. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), foram registrados mais de 15 mil novos casos de câncer na cavidade oral e cerca de 7 mil casos de câncer de laringe em 2016.

Conversamos com o Dr. Leandro Matos, médico cirurgião de cabeça e pescoço do Centro de Oncologia do ABC. Ele falou um pouco mais sobre a doença em si, tratamentos e prevenções.

Existem sinais de alerta quanto à suspeita de câncer de cabeça e pescoço. Entre eles úlceras orais que não cicatrizam após 21 dias, ou rouquidão persistente pelo mesmo período. O especialista informa que isso é devido ao fato do câncer da boca e da laringe, serem os mais frequentes.

Existem múltiplas opções de tratamento que podem ser empregadas, combinadas ou isoladamente. Elas envolvem cirurgia, quimioterapia e radioterapia. São tumores que, caso diagnosticados precocemente, têm grande chance de cura. Porém, em casos avançados, essas taxas podem ser muito baixas.

Prevenção é essencial

O Dr. Leandro alerta que, sobre o câncer de boca, o tabagismo é o principal fator de risco. Mas o uso abusivo de álcool e infecção pelo papiloma vírus humano (HPV), adquirido por relação sexual desprotegida, também podem contribuir para a aparição da doença.

O Brasil, infelizmente, ainda é um país com grande incidência da doença. Os cânceres de cabeça e pescoço, quando agrupados, representam o segundo tipo mais frequente de câncer nos homens brasileiros. Os casos são mais altos nos países com baixos níveis socioeconômicos, com altas taxas de tabagismo e abuso do álcool.

Antes de qualquer revolução no tratamento desse tipo de câncer, é muito importante que o foco seja a prevenção, ou seja, parar de fumar e de beber são os passos mais importantes para diminuir as chances de adquirir a doença. Lembrando que o uso de camisinha nas relações sexuais é fundamental para se proteger contra uma DST (Doença Sexualmente Transmitível).

O apoio multiprofissional para sucesso no tratamento do câncer

Segundo o médico, o atendimento humanizado é de suma importância e faz a diferença para os portadores da doença. “Esses pacientes necessitam de um apoio multiprofissional que envolve cirurgião, oncologista, psicologia, nutrição, cuidados de enfermagem e muito apoio da família”, comenta Matos.

O CEONABC é referência em diagnóstico e tratamento do câncer, e nosso corpo clínico conta com especialistas de diversas áreas. Estamos sempre prontos para atender todos os pacientes da melhor forma, além de marcarmos presença nos maiores eventos em Oncologia. Pelo Brasil e pelo mundo, estamos sempre buscando a atualização e aprendizado.

Acompanhe nossa página na web, Facebook e Instagram para ficar por dentro das atividades de todo nosso staff e das novidades do CEONABC. Se preferir, entre em contato conosco para saber mais.

Câncer de Pâncreas – Por que não abandonar o tratamento?

No último Sábado, dia 16 de setembro, faleceu o apresentador e jornalista Marcelo Rezende, da Rede Record. Ele morreu devido a um câncer de pâncreas que se espalhou para o fígado.

Durante o decorrer da doença, muito se falou sobre sua desistência do tratamento por quimioterapia. Na reta final, Marcelo estava entregue exclusivamente à fé, abrindo mão dos tratamentos tradicionais. No entanto, por mais que a fé seja essencial para qualquer paciente com câncer, a manutenção do acompanhamento médico e dos tratamentos tradicionais continua sendo de extrema importância.

TRATAMENTO FORTE E ALTERNATIVAS

A quimioterapia é algo bastante agressivo e debilitante, com um intervalo de 3 semanas para cada ciclo de tratamento. Após uma sessão, no entanto, o jornalista interrompeu o processo e procurou terapias alternativas.

Divulgada pelo cardiologista, nutricionista e autor Lair Ribeiro, Marcelo Rezende começou a seguir a dieta cetogênica, totalmente sem carboidratos. Segundo Lair, as células cancerígenas se alimentam de açúcar apenas, e, ao cortar a substância, essas células morreriam.

A GRAVIDADE DA DOENÇA E POR QUE NÃO DESISTIR

Interromper o tratamento quimioterápico faz com que a doença avance mais rapidamente. Por isso, não é indicado desistir após seu início. Mesmo que seguisse firme com a terapia tradicional, Marcelo enfrentaria uma batalha difícil contra o câncer.

 No caso do câncer de pâncreas, o diagnóstico precoce muitas vezes não acontece, devido à falta de sintomas expressivos nas fases iniciais da doença. Por ocorrer em um órgão de difícil localização, é possível realizar sua confirmação por exames de sangue e imagem, mas apenas uma biópsia poderá determinar a gravidade do tumor.

 Alguns sintomas de câncer de pâncreas podem se caracterizar pela icterícia (coloração amarelada na pele e nos olhos), dores nas costas e abdômen, emagrecimento repentino e diabetes, que pode surgir sem prévio aviso. O hábito do fumo, consumo excessivo de álcool e má alimentação são fatores de risco para o surgimento da doença.

De acordo com o Dr. Daniel Cubero, Diretor Clínico do Centro de Oncologia do ABC (CEONABC) e Professor Assistente da Disciplina de Oncologia e Hematologia da Faculdade de Medicina do ABC, ao não receberem as substâncias da quimio, as células voltam a se replicar rapidamente, indo para outros órgãos que ainda não estavam acometidos.

 O CEONABC é referência no tratamento contra o câncer. Possui instalações modernas e bem equipadas em suas unidades, além de profissionais altamente capacitados para atender e tratar de forma humanizada todos os seus pacientes.

Acompanhe o Facebook e Instagram e saiba mais sobre o Centro de Oncologia do ABC. Você também pode entrar em contato e marcar uma visita.

Como funciona o tratamento de radioterapia?

radioterapia

Muitas pessoas se assustam ao ouvirem o termo “radioterapia”, e o associam a uma medida drástica na tentativa de salvar a vida de um paciente com câncer, mas podemos afirmar que a radioterapia não é uma medida drástica e sim, uma medida prática no combate as células cancerígenas.

Para que você entenda melhor, desenvolvemos este artigo com as informações necessárias em relação à radioterapia. Confira abaixo:

Para começo de papo:

A radioterapia é um dos métodos capazes de destruir células tumorais, empregando feixe de radiações ionizantes. Uma dose pré-calculada de radiação é aplicada, em um determinado tempo, a um volume de tecido que engloba o tumor, buscando erradicar todas as células tumorais, com o menor dano possível às células normais circunvizinhas, à custa das quais se fará a regeneração da área irradiada.

As radiações ionizantes são eletromagnéticas ou corpusculares e carregam energia. Ao interagirem com os tecidos, dão origem a elétrons rápidos que ionizam o meio e criam efeitos químicos como a hidrólise da água e a ruptura das cadeias de ADN. A morte celular pode ocorrer, então, por variados mecanismos, desde a inativação de sistemas vitais para a célula até sua incapacidade de reprodução.

A resposta dos tecidos às radiações depende de diversos fatores, tais como a sensibilidade do tumor à radiação, sua localização e oxigenação, assim como a qualidade e a quantidade da radiação e o tempo total em que ela é administrada.

Para que o efeito biológico atinja maior número de células neoplásicas e a tolerância dos tecidos normais seja respeitada, a dose total de radiação a ser administrada é, habitualmente, fracionada em doses diárias iguais, quando se usa a terapia externa.

Radiossensibilidade e radiocurabilidade

A velocidade da regressão tumoral representa o grau de sensibilidade que o tumor apresenta às radiações. Depende, fundamentalmente, da sua origem celular, do seu grau de diferenciação, da oxigenação e da forma clínica de apresentação. A maioria dos tumores radiossensíveis são radiocuráveis. Entretanto, alguns se disseminam independentemente do controle local; outros apresentam sensibilidade tão próxima a dos tecidos normais, que esta impede a aplicação da dose de erradicação. A curabilidade local só é atingida quando a dose de radiação aplicada é letal para todas as células tumorais, mas não ultrapassa a tolerância dos tecidos normais.

Indicações da radioterapia

Como a radioterapia é um método de tratamento local e/ou regional, pode ser indicada de forma exclusiva ou associada a outros métodos terapêuticos. Em combinação com a cirurgia, poderá ser pré, per ou pós-operatória. Também pode ser indicada antes, durante ou logo após a quimioterapia.

A radioterapia pode ser radical (ou curativa) quando se busca a cura total do tumor; remissiva, quando o objetivo é apenas a redução tumoral; profilática, quando se trata a doença em fase subclínica, isto é, não há volume tumoral presente, mas possíveis células neoplásicas dispersas; paliativa, quando se busca a remissão de sintomas tais como dor intensa, sangramento e compressão de órgãos; e ablativa, quando se administra a radiação para suprimir a função de um órgão, como, por exemplo, o ovário, para se obter a castração actínica.

Veja abaixo algumas perguntas frequentes com relação à radioterapia:

O que é radioterapia?

É um tratamento no qual se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem. Estas radiações não são vistas e durante a aplicação, o paciente não sente nada. A radioterapia pode ser usada em combinação com a quimioterapia ou outros recursos usados no tratamento dos tumores.

Quais os benefícios da radioterapia?

Metade dos pacientes com câncer são tratados com radiações, e é cada vez maior o número de pessoas que ficam curadas com este tratamento. Para muitos pacientes, é um meio bastante eficaz, fazendo com que o tumor desapareça e a doença fique controlada, ou até mesmo curada.

Quando não é possível obter a cura, a radioterapia pode contribuir para a melhoria da qualidade de vida, isso porque as aplicações diminuem o tamanho do tumor, o que alivia a pressão, reduz hemorragias, dores e outros sintomas, proporcionando alívio aos pacientes.

Link Sugerido: Conheça 10 Mitos e 10 Verdades sobre o câncer

Como é feita a radioterapia?

O número de aplicações necessárias pode variar de acordo com a extensão e a localização do tumor, dos resultados dos exames e do estado de saúde do paciente.

Para programar o tratamento, é utilizado um aparelho chamado simulador. Através de radiografias, o médico delimita a área a ser tratada, marcando a pele com uma tinta vermelha. Para que a radiação atinja somente a região marcada, em alguns casos pode ser feito um molde de gesso ou de plástico, para que o paciente se mantenha na mesmo posição durante a aplicação.
O paciente ficará deitado sob o aparelho, que estará direcionado para o traçado sobre a pele. É possível que sejam usados protetores de chumbo entre o aparelho e algumas partes do corpo, para proteger os tecidos e órgãos sadios.

De acordo com a localização do tumor, a radioterapia é feita de duas formas:

– Os aparelhos ficam afastados do paciente, sendo chamada de Teleterapia ou Radioterapia Externa.

– Os aparelhos ficam em contato com o organismo do paciente, sendo chamada Braquiterapia ou Radioterapia de Contato. Esse tipo trata tumores da cabeça, do pescoço, das mamas, do útero, da tiroide e da próstata. As aplicações podem ser feitas em ambulatório, mas no caso de tumores ginecológicos, há necessidade de hospitalização de pelo menos três dias. Pode ser necessário receber primeiro a Radioterapia Externa e depois a Braquiterapia.

Quais os possíveis efeitos da radioterapia e o que fazer quando surgirem?

A intensidade dos efeitos da radioterapia depende da dose do tratamento, da parte do corpo tratada, da extensão da área radiada, do tipo de radiação e do aparelho utilizado. Geralmente, aparecem na terceira semana de aplicação e desaparecem poucas semanas depois de terminado o tratamento, podendo durar mais tempo. Os efeitos indesejáveis mais frequentes são:

– Cansaço: o paciente deve diminuir as atividades e descansar nas horas livres. Algumas pessoas preferem se afastar do trabalho, outras trabalham menos horas no período de tratamento.

– Perda de apetite e dificuldade para ingerir alimentos: é recomendável comer pouco e em mais vezes. O paciente deve ingerir coisas leves e variar a comida para melhorar o apetite. Fazer uma caminhada antes das refeições também ajuda. Em alguns casos, a saliva torna-se mais espessa e altera o sabor dos alimentos, mas após o término do tratamento, o paladar irá melhorar.

– Reação da pele: A pele que recebe radiação poderá coçar, ficar vermelha, irritada, queimada ou bronzeada, tornando-se seca e escamosa. É importante informar ao médico, durante as consultas de revisão, qualquer das seguintes situações: febre igual ou acima de 38°C, dores, assaduras e bolhas ou secreção na pele. Alguns cuidados podem reduzir essas sensações:

– Lavar a área com água e sabão, e enxugar com uma toalha macia, sem esfregar;

– Não usar na área em tratamento, cremes, loções, talcos, desodorantes, perfumes, medicações ou qualquer outra substância não autorizada pelo médico. Isso pode alterar a reação da radioterapia;

– Utilizar qualquer tipo de curativo na pele (como gaze ou band-aid) com a orientação médica;

– Não utilizar sacos de água quente ou gelo, saunas, banhos quentes, lâmpadas solares ou qualquer outro material sobre a pele em tratamento;

– Proteger a pele da luz solar até um ano depois do fim do tratamento, usando protetor solar fator 15 ou uma blusa/camiseta.

– Evitar usar roupas apertadas, soutiens, camisas com colarinhos, calças jeans etc.; não usar tecidos sintéticos do tipo nylon, lycra, cotton ou tecidos mistos com muita fibra sintética. A roupa deve ser feita de algodão.

Fonte: INCA.

A IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO DO NUTRICIONISTA NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO

nutricionista

Na Oncologia atual é de enorme importância a abordagem multidisciplinar no tratamento do paciente oncológico, onde o médico oncologista trabalha de forma integrada a uma equipe multiprofissional e conta com a colaboração de outras especialidades como Patologia, Radiologia, Radioterapia, Cirurgia, Psiquiatria, Enfermagem, Farmácia, Psico-oncologia, Fisioterapia, Nutrição e muitos outros profissionais. No Centro de Oncologia do ABC não é diferente, e a equipe multidisciplinar atua de forma integrada para prestar um atendimento de excelência aos seus pacientes.

A intervenção Nutricional agrega conhecimentos importantes na atuação da equipe multiprofissional. O suporte nutricional é decisivo na manutenção da saúde e da qualidade de vida dos pacientes, por preservar a integridade intestinal, melhorar o balanço nitrogenado, restabelecer a imunidade mediada por células e acelerar a cicatrização e reparos dos tecidos doentes. Traz ainda benefícios adicionais como a redução no tempo de permanência e a mortalidade de pacientes que necessitam internação hospitalar, seja para a realização de cirurgias, ou para o tratamento de intercorrência sérias como as infecções.

Por meio de nutrientes especialmente selecionados, é capaz de melhorar significativamente o estado nutricional de pacientes oncológicos e, consequentemente, o prognóstico destes. Ainda mais importante do que isso, a orientação de uma nutricionista pode atuar de forma expressiva na qualidade de vida dos pacientes, melhorando a aceitação alimentar, reduzindo sintomas e ajudando os pacientes em suas interações sociais.

Seguem algumas das principais orientações e dicas nutricionais:

– Falta de apetite:

  • Se for difícil comer alimentos sólidos, ingerir líquidos como vitaminas por exemplo. Podem ser combinadas diferentes frutas e acrescido sorvete ou iogurte para torná-la mais nutritiva;
  • Sopas podem ser bem atraentes e apetitosas nesses casos;
  • Suplementos nutricionais específicos são boas alternativas, para serem acrescentados na dieta líquida e ajudam na recuperação do paciente;

 

– Boca Seca (xerostomia):

  • Beber líquidos em pequenas quantidades várias vezes ao dia.
  • Acrescentar molhos, caldos e líquidos nas refeições.
  • Balas azedas ou de hortelã são uma alternativa.
  • Pergunte ao seu médico sobre a saliva artificial.
  • Suplementos nutricionais específicos para pacientes com câncer.

 

– Náuseas (enjôos) e vômitos:

  • Fazer várias refeições pequenas ao longo do dia.
  • Evitar líquidos durante as refeições.
  • Evitar frituras e alimentos gordurosos.
  • Evitar bebidas alcoólicas, cafeína ou condimentos muito fortes.
  • Não deitar logo após a refeição.
  • Evitar sentir o cheiro dos alimentos durante o preparo.

 

Restando dúvidas, consulte um nutricionista para uma avaliação individual.

REFERÊNCIAS:

  1. World Cancer Research Fund (USA). Food, nutrition, physical activity and prevention of cancer: A global perspective. Washington (DC): American Institute for Cancer Research; 2007.
  2. Instituto Nacional de Câncer (Brasil).: Incidência de câncer no Brasil.: http://www.inca.gov.br/
  3. WAITZBERG, D. L. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. 4ª. ed. São Paulo: Atheneu, 2009.
  4. Ikemori, EHA e Cotrim, TH. Manual de Alimentação para pacientes em quimioterapia. Hospital do Câncer AC Camargo, setembro de 2004.

 

ELABORADO PELA NUTRICIONISTA DO CENTRO DE ONCOLOGIA DO ABC, MIRELLA BOSCATTO TORCHIA CRN 31978

Veja também: VACINAS CONTRA GRIPE INFLUENZA EM PACIENTES COM CÂNCER.

 

WhatsApp chat