O que a imunoterapia tem a dizer sobre o tratamento de câncer?

Você já ouviu falar em imunoterapia? Ela foi eleita o maior avanço na luta contra tumores em 2017 pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica. O Centro de Oncologia do ABC já discutiu a respeito dos avanços no tratamento contra o câncer, e hoje fala um pouco mais a respeito desse tratamento que vem caindo nas graças dos especialistas.

Desde 2016 os tratamentos contra o câncer têm se revelado muito bem-sucedidos. Oito novas terapias foram aprovadas pela FDA (Food and Drug Administration), além de 12 novas vertentes para tratamentos já estabelecidos.

Uma das mais animadoras é a chamada imunoterapia. Resumidamente, a imunoterapia consiste em medicamentos que não têm o câncer como foco direto, mas visam auxiliar nosso sistema imunológico a detectar um tumor e atacá-lo.

 

 

Como a imunoterapia age?

O câncer “paralisa” as células de defesa, ludibriando as defesas do corpo para que não percebam a doença como uma ameaça, permitindo sua evolução. As drogas imunoterápicas revertem essa realidade e provocam uma reação que combata o tumor. Várias espécies de câncer, como o câncer de bexiga; cabeça e pescoço; pulmão e rins, além de melanomas e linfomas, já são alvos da imunoterapia para tratamento.

As primeiras pesquisas sobre a imunoterapia datam de 1881, mais de um século atrás, utilizando bactérias para estimular as defesas do corpo a responderem a um tecido com câncer. Foi apenas quase 100 anos depois que a primeira medicação que se utilizava desse princípio foi aprovada.

Os remédios atuam hoje em dia principalmente como inibidores de pontos de verificação imunológica, que garantem que as células protetoras não sejam “desperdiçadas”, utilizadas só quando necessário, evitando inflamações e doenças autoimunes.

Mais de setenta atividades biológicas são mediadas por meio de linfócitos, monócitos e macrófagos. Eles podem ser classificados como fatores auxiliares, supressores e reguladores do crescimento e citotóxicos.

 Quando a imunoterapia é indicada?

A imunoterapia, por ainda encontrar-se em fase experimental, requer uma espera de resultados mais contundentes sobre sua eficiência e capacidade de aplicação. O imunomodulador BCG é mais indicado para melanoma maligno e câncer de bexiga.

A Interleucina-2 é aconselhada para tratamentos de sarcomas; carcinomas e cólon e reto; sarcoma de Kaposi e adenocarcinoma de pulmão.

O Interferon é recomendado para mieloma múltiplo; melanoma maligno; leucemia de células cabeludas; linfomas malignos e outros tipos de leucemia.

O Levamisole é indicado para carcinoma intestinal, enquanto o Corynebacterium parvum é indicado para câncer de pulmão.

O que se nota é que a cada dia as terapias sofrem revoluções e a vida dos pacientes oncológicos se torna mais fácil e com uma maior chance de sobrevivência. O CEONABC tem orgulho de ser referência no tratamento contra o câncer e conta com duas unidades equipadas com tecnologia de ponta e profissionais altamente capacitados.

 

Venha conhecer o Centro de Oncologia do ABC. Siga-nos também no Facebook e Instagram para ficar por dentro de todas as nossas novidades, ações e campanhas.

Os avanços no tratamento oncológico

avanços no tratamento oncológico

Você sabia que a expectativa de vida do brasileiro aumentou quase 30 anos da década de 1950 para os dias de hoje? A medicina tem avanços a cada dia. Assim como a indústria, política e outros setores, também passa por momentos determinantes que revolucionam o cenário. Dessa forma, é muito bom saber que podemos estar perto de um desses momentos.

A cirurgia vem sendo cada vez menos agressiva. A intervenção robótica, por exemplo, garante menos sangramento, dor e a necessidade de analgésicos. Tudo isso além de um menor tempo de recuperação pós-operatória.

Mas o que realmente vai transformar os paradigmas e se tornar um ponto de virada na história?

 

REVOLUÇÕES NO TRATAMENTO

Depois de mais de uma década de estudos genômicos dos cânceres, avanços vêm surgindo. Novos tipos de remédios vêm ganhando espaço com o futuro da oncologia. Segundo a revista Science, eles prometem ser mais aceitos pelo organismo em relação à quimioterapia, além de mais eficientes, aumentando as chances de cura.

Com o uso dessas drogas, a probabilidade de um tratamento quimioterápico mais leve é bem maior. Isto é, quando ele for necessário.

COMO FUNCIONA

Um dos sistemas que pode se tornar a raiz das drogas inteligentes é a epigenética. Conforme envelhecemos, é de praxe que genes sejam alterados ou “desligados”. Isso pode causar vários tipos de câncer. Os reguladores epigenéticos reabilitam essas alterações e acabam com a doença.

Outra droga apresentada pela revista é capaz de atacar a família de genes RAS. Todos temos esses genes, que podem sofrer mutações, podendo gerar o câncer de tireoide e pâncreas, por exemplo, um dos mais complicados de se tratar e que recentemente levou o apresentador Marcelo Rezende a falecer. Com o tratamento mais efetivo de cânceres difíceis de cuidar, a mortalidade pode ser reduzida de forma bastante significativa.

Os inibidores da enzima polimerase (PARP-1) têm o papel de diminuir a chance de células abaladas pelo câncer se fortaleceram e criarem resistência contra a quimio, da mesma forma que os antibióticos se tornam ineficientes com algumas bactérias.

Isso já está sendo usado no tratamento de câncer de ovário. Mas as pesquisas acreditam que esse método pode ser usado em outros tipos de câncer.

 

AVANÇOS SEM ESQUECER DO QUE JÁ É REALIDADE

Vale lembrar que a medicina personalizada e multidisciplinar também é importantíssima. Isso se dá pela análise do perfil biológico do tumor e identificação das alterações genômicas. Esses fatores podem ter implicação na terapia que será empregada.

A abordagem conta com o diagnóstico anatomopatológico, biologia molecular, acompanhamento psicológico, nutricional, fonoaudiológico, etc.

O atendimento humanizado é também se tornou fator fundamental no tratamento, e deve ser trabalhado em todos os centros de oncologia, por toda a equipe envolvida com o paciente. Ele precisa se sentir respeitado e compreendido, além de contar com a total transparência e sinceridade da equipe que o acompanha.

O CEONABC conta com um staff altamente treinado e competente em suas unidades em Santo André e São Caetano. Estamos prontos para receber nossos pacientes e tratá-los da melhor forma possível. Agende uma visita e venha nos conhecer.

Siga-nos também no Facebook e no Instagram para ficar por dentro de todas as nossas novidades.

WhatsApp chat