Câncer de mama: tudo o que você precisa saber!

No mês de outubro, as atenções se voltam para uma campanha de extrema importância, o Outubro Rosa. O combate e prevenção do câncer de mama deve ser algo constante, pois é uma das doenças que mais atingem mulheres ao redor do mundo, mas a campanha veio para despertar a consciência de todos.

Com isso, conversamos com a Dra. Andrea Cubero, mastologista do Centro de Oncologia do ABC, a respeito das medidas, cuidados, mitos e verdades sobre o câncer de mama.

O PAPEL DO AUTOEXAME

Em relação ao autoexame e como ele pode ajudar a prevenir a doença, a Dra. Andrea comenta que a melhor nomenclatura seria o “autoconhecimento”. Conhecer suas mamas, realizando o autoexame (observando-se no espelho e se tocando) ajuda a detectar alguma possível alteração. Desta forma, a mulher fica mais alerta e pode procurar ajuda de um profissional.

A Dra.  Andrea ainda afirma que é muito importante salientar que o “autoexame” não substitui o exame de mamografia, que deve ser realizado anualmente após os 40 anos na população em geral.

A mamografia se diferencia do autoexame, pois detecta lesões antes que elas demonstrem sinais clínicos, tais como os nódulos palpáveis, retração da pele, saída de secreção pelo bico da mama, entre outros. O exame detecta lesões muito pequenas e sutis, tais como as microcalcificações, enquanto o autoexame detecta lesões maiores a ponto de se tornarem visíveis, e, portanto que já estão crescendo há algum tempo. Desta forma ele nunca deve substituir a mamografia e o exame clínico realizado por um profissional treinado.

PERIODICIDADE

 A Dra. Andrea afirma que a mamografia de base (que servirá de referência no futuro) deve ser feita, para a população em geral, entre 35 e 40 anos. E a partir dos 40 anos realizar um exame anualmente. Nas pacientes consideradas de alto risco, como por exemplo, que tiveram mãe ou irmãs com câncer de mama, devemos individualizar o seu rastreamento. É importante que seja orientada por um mastologista.

Tudo sobre o Câncer Feminino (Trilha de Conteúdo)

AVANÇOS

Nos últimos anos aprendemos que existem vários subtipos de tumores de mama e que eles se comportam de maneiras diferentes. Alguns mais agressivos, outros mais indolentes, com crescimento lento e baixo potencial de disseminação. Essa individualização dos tumores leva ao tratamento cada vez mais personalizado em toda a esfera multidisciplinar.

NÃO APENAS ELAS

A Dra. Andrea comenta que os homens também devem ficar atentos para alguma eventual alteração que venha a ter nas mamas. Por ser muito raro no sexo masculino (Um homem para cada 100 mulheres) não há necessidade realizar exames de rastreamento.

O CEONABC apoia o Outubro Rosa e é referência e a melhor rede de tratamento do ABC. Possui um atendimento feito de forma transparente e humanizada, sendo referência na luta do combate ao câncer!

Marque uma consulta para colocar os seus exames em dia. Não deixe de seguir o CEONABC também no Facebook e Instagram.

DIA DO NUTRICIONISTA- CEONABC ENTREVISTA DRA. MIRELLA TORCHIA

Nós já te contamos aqui como o acompanhamento nutricional é essencial no tratamento oncológico. No Dia do Nutricionista, entrevistamos a Dra. Mirella Torchia, do CEONABC, que reforça a importância deste trabalho com detalhes e dicas sobre a especialidade.

A nutrição vem agregar o trabalho multiprofissional da equipe oncológica, normalmente constituída por médico, enfermeiro, farmacêutico, psicólogo e nutricionista. Tudo isso para buscar minimizar os sintomas e ajudar a melhora da qualidade de vida e do tratamento do paciente com câncer.

Por que a nutrição é necessária?

 

De acordo com Mirella, a evolução da doença faz com que o indivíduo reduza a ingestão alimentar por conta dos efeitos colaterais causados pelas medicações e alterações fisiológicas. Essas alterações promovem o retardo do esvaziamento gástrico e redução do apetite, ou problemas de absorção, gerando incômodo e isolamento social.

“O Trabalho do Nutricionista em cuidados paliativos ajuda a minimizar o desconforto causado pela alimentação, prioriza o prazer pela ingestão alimentar e favorece a socialização entre pacientes e familiares durante as refeições”, afirma.

A dor é o sintoma que exerce grande impacto sobre a qualidade de vida, influenciando humor, mobilidade, sono, etc. Outros sintomas como anorexia, depressão, ansiedade, constipação, disfagia, dispneia e astenia igualmente acometem o paciente, afetando as relações sociais e profissionais. Por este motivo, o controle dos sintomas possibilita que o sujeito possa realizar o que tem vontade, proporcionando uma finitude digna e com sofrimento reduzido.

As causas da perda de apetite e dificuldade de alimentação podem ser muitas. Entre elas, a Dra. cita alterações hormonais e metabólicas causadas pelo tumor, pela quimioterapia e/ou radioterapia. A dor ao deglutir, causando feridas, mucosite e outros sintomas como náuseas e vômitos, também contribuem para a alimentação deficiente.

Soluções possíveis

Os suplementos nutricionais são outro ponto abordado por Mirella. “Eles podem ser em pó ou em sua forma líquida”, explica. “Infelizmente são caros e pouco acessíveis, não sendo vendidos em qualquer lugar”. A nutricionista do CEONABC lembra que os hipercalóricos e hiperproteicos são os mais utilizados, pois o paciente perde grande quantidade de massa magra e peso. A nutrição enteral (NE) também pode ser feita por meio de sonda nasogástrica ou percutânea.

A Dra. Torchia explana que algumas dietas podem ser orientadas para minimizar os efeitos colaterais do tratamento, como a sem resíduos. Nela são retirados os grãos. “Existe também a dieta laxativa ou obstipante, que prioriza chás e frutas cozidas ou assadas, sem casca”, comenta. “Em alguns casos retira-se a lactose”.

Conselhos da Nutricionista

Ela ainda dá dicas para a melhora do paladar. “O uso de temperos naturais como o orégano, cúrcuma e manjericão ajuda a dar sabor à comida. O limão na sua forma de sorvete auxilia a aceitação alimentar”. Mirella complementa que alimentos azedos são ótimos para estimular a produção de saliva.

Segundo Mirella, a má alimentação ao longo do tempo, com o consumo de processados e industrializados pode influenciar no surgimento de um câncer. “Dietas com grandes quantidades de farinha branca, açúcar e pobres em vitaminas também são um fator de risco”.

O CEONABC é referência no tratamento contra o câncer. Temos profissionais altamente capacitados e em constante atualização. Nosso corpo clínico preza pelo atendimento humanizado e busca, através de participações em estudos, pesquisas e simpósios, as melhores alternativas em oncologia.

Acompanhe nosso site e redes sociais para mais informações e novidades!

WhatsApp chat