Cuidados que os pacientes oncológicos precisam ter durante o outono!

A chegada do outono pode prejudicar a imunidade de alguns pacientes oncológicos, principalmente os idosos, portadores de enfermidades crônicas e aqueles que estão em tratamento quimioterápico.

Devido aos fatores citados anteriormente, o Centro de Oncologia – CEON+ separou alguns cuidados para prevenir certas complicações durante este período do ano. Confira!

1. Higiene é essencial!

A higiene é fundamental nesta época do ano para evitar o contágio por algum resfriado. Lave e higienize frequentemente as mãos e fique afastado de pessoas que apresentam algum sintoma como tosses e espirros.

2. Evite ambientes fechados

Mantenha as janelas de casa e do ambiente de trabalho sempre abertas, não impedindo a circulação de ar.

3. Você está bebendo água o suficiente?

Ingerir pelo menos dois litros de água por dia. Além de beber muita água, é importante umidificar o ar ou colocar uma toalha molhada e até um balde com água nos ambientes da casa, além de lavar as cavidades nasais com soro fisiológico.

4. Escolha o momento ideal para praticar exercícios!

Evite praticar exercícios nos horários mais quentes. A recomendação é evitar praticar exercícios físicos entre as 10h e 16h em dias que apresentam baixa umidade do ar.

Caso você seja paciente oncológico e tenha sintomas, como tosse, febre, falta de ar e corrimento nasal, é necessário procurar o pronto-socorro para tratamento e orientação. Cuide da sua saúde e acompanhe as nossas redes sociais para mais informações!

Mês da Mulher: a importância de falar sobre a saúde da mulher!

O Mês da Mulher chegou e nada mais justo do que parabenizar as guerreiras que lutam todos os dias para uma sociedade mais justa e melhor. Entendemos que as mulheres merecem cada vez mais espaço, pois sem elas não conseguiríamos chegar onde estamos hoje. Por isso, em março, vamos dedicar conteúdos especiais para celebrar nossas heroínas diárias.

E é o nosso dever falar constantemente sobre a saúde da mulher. No Brasil, o câncer de mama é o segundo mais comum entre o público feminino. De acordo com estimativas da Fundação do Câncer, em 2020 houve uma redução de 84% no número de mamografias realizadas no país em comparação com 2019. O dado é preocupante, já que, se diagnosticado no seu início, a doença tem 90% de chance de cura.

Logo, é importante lembrar que fazer os exames de rotina, incluindo a mamografia, é muito importante. A mamografia deve ser feita anualmente a partir dos 40 anos e, no Brasil, uma lei de 2008, atualizada em 2019, garante a realização do exame no SUS às mulheres com mais de 40 anos.

Lembre-se: a prevenção é o caminho para uma vida saudável e feliz!

É claro que em apenas um mês não podemos expressar a importância que as mulheres representam em nossas vidas, então precisamos diariamente cuidar daquelas que amamos promovendo saúde e bem-estar.

Fique ligado nos canais de comunicação do CEON para não perder nenhum conteúdo. Parabéns para todas as mulheres!

Qual a relação do álcool e do cigarro com o câncer?

Neste mês celebramos o Dia Nacional de Combate às Drogas e Alcoolismo, que representa uma oportunidade única para disseminarmos os perigos que essas duas doenças crônicas podem provocar até em relação ao surgimento de novos problemas de saúde ligados ao consumo de certas substâncias.

Quando falamos disso, é impossível não mencionar o câncer. Seja tabaco ou álcool, ambos representam uma parcela considerável do desenvolvimento de diversos tipos da doença.

O tabaco fumado em qualquer uma de suas formas causa a maior parte de todos os cânceres de pulmão. Este, por sua vez, é a forma da doença que mais mata no Brasil. Segundo o INCA, cerca de 12 pessoas morrem em decorrência deste problema no Brasil todos os anos para cada grupo de 100 mil habitantes. Vale lembrar que ela também é a quinta principal causa de morte no mundo.

Além disso, o uso do tabaco pode aumentar as chances do desenvolvimento de leucemia mieloide aguda, câncer de bexiga, câncer de pâncreas, câncer de fígado, câncer do colo do útero, câncer de esôfago, câncer de rim e ureter, câncer de laringe, câncer na cavidade oral, câncer de faringe, câncer de estômago e câncer de cólon e reto.

No caso do consumo de bebidas alcoólicas, existem várias maneiras diferentes que levam ao aumento do risco do câncer como, por exemplo, a perda de capacidade do corpo de quebrar e absorver uma variedade de nutrientes associados ao risco de câncer e o aumento dos níveis sanguíneos de estrogênio – muito relacionado ao câncer de mama.

Sendo assim, o alcoolismo aumenta as chances do desenvolvimento de diversos tipos de câncer como o de boca, garganta, esôfago, fígado e mama. E vale ressaltar que os problemas se multiplicam nos casos de pessoas que bebem e fumam concomitantemente.

Por isso, adote hábitos mais saudáveis! O câncer não é uma escolha, mas o consumo do tabaco e do álcool é. Prevenir é o melhor remédio para ter uma vida plena e feliz!

Para além do tabagismo e do álcool: a obesidade como fator de risco para o câncer

Por muito tempo, a humanidade esteve concentrada em localizar e monitorar os grandes vilões do câncer. No Brasil, entre as décadas de 80 e 90, os holofotes foram apontados para o cigarro. Com evidências científicas mostrando os riscos que ele podia trazer para a saúde, uma campanha focada no combate ao tabagismo foi promovida com a adição de imagens e advertências nas embalagens, além da criação de tratamentos específicos para largar o vício.

O resultado superou as expectativas: a redução, a um terço, do índice de fumantes na população, entre 1989 e 2015.

Porém, nas últimas décadas, deixamos de notar uma epidemia que silenciosamente se tornou parte da vida de grande parte da população: a obesidade.

Uma pesquisa recente do IBGE mostrou que a proporção de obesos na população com 20 anos ou mais de idade mais que dobrou no país entre 2003 e 2019, passando de 12,2% para 26,8%. Nesse período, a obesidade feminina subiu de 14,5% para 30,2%, enquanto a masculina passou de 9,6% para 22,8%.

Além disso, em 2019, uma em cada quatro pessoas de 18 anos ou mais de idade no Brasil estava obesa, o equivalente a 41 milhões de pessoas. Entre os jovens, o excesso de peso afeta 19,4% dos adolescentes de 15 a 17 anos de idade.

Mas existe outro dado que assusta mais ainda e está diretamente relacionado com o título desse texto: 13 em cada 100 casos de câncer no país são atribuídos ao sobrepeso e à obesidade, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Muitos estudos da área mostram que o excesso de gordura corporal potencializa o risco do desenvolvimento de pelo menos 13 tipos de câncer. O ponto é que a obesidade aumenta os níveis de certos hormônios, que resultam no crescimento de células cancerígenas.

E isso está diretamente ligado à alimentação do brasileiro. A troca de alimentos frescos por processados se tornou uma rotina para milhões, o que, ao lado do sedentarismo, acaba aumentando cada vez mais os índices de obesidade.

Logo, é importante que diversas medidas sejam adotadas para o combate da doença, a começar pela nossa própria rotina. Tenha uma alimentação equilibrada e variada, reduza os alimentos com açúcar e as gorduras saturadas e siga, sobretudo, uma dieta balanceada.

Lembre-se: o excesso de peso é prejudicial para a saúde e deve ser combatido!

#CEON40ANOS: uma história com início, meio e sem fim!

Em 2021, o Centro de Oncologia – CEON+ completa 40 anos de história. A marca representa muito para nós e mostra que o caminho que temos trilhado ao longo dessas quatro décadas é o correto para continuarmos oferecendo um tratamento multidisciplinar preciso e humanizado ao paciente oncológico.

Não por acaso, essa tradição nos tornou referência na região do ABC paulista com quatro unidades distribuídas pelos municípios de São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo, Santo André e Diadema. Todas elas carregam a nossa marca registrada de excelência e personalização do cuidado com nossos pacientes.

Mas, como toda jornada de sucesso, tudo o que aconteceu nestes 40 anos remete a nossa origem. Lá em 1981, quando o Dr. James Cubero Daniel, médico cirurgião e um dos pioneiros no tratamento do câncer aqui no Grande ABC, fundou o Centro de Oncologia – CEON+, o objetivo já era assegurar o bem-estar de colaboradores, pacientes e clientes através de profissionais comprometidos que garantem que a nossa responsabilidade social seja cumprida.

Garantimos isso com uma equipe multiprofissional e integrada formada por enfermeiros, farmacêuticos e nutricionistas devidamente habilitados e comprometidos.

Vivemos um momento delicado da nossa sociedade, em que novos desafios como uma pandemia dificultam o tratamento contínuo do paciente oncológico, mas entendemos que episódios como esses apenas nos fortalecem na busca por uma melhora diária. E contamos sempre com o nosso maior ativo nesta jornada: você!

Esperamos que 2021 seja um ano de muito crescimento, assim como as últimas quatro décadas se mostraram ao Centro de Oncologia – CEON+. Temos a convicção de que estamos a todo momento prontos para vencer novos obstáculos e continuarmos nossa trajetória marcada por muita humanidade e superação!

#voceON: Juntos, somos mais fortes!

Não é novidade para nós que o grande protagonista do Centro de Oncologia – CEON+ é você. Em 40 anos de atuação, sempre procuramos garantir um tratamento preciso e humanizado para o paciente oncológico e entendemos que conhecer aqueles que fazem parte do nosso dia a dia é essencial para assegurar nossos valores.

É por isso que em fevereiro o Centro de Oncologia – CEON+ lançou a campanha #voceON, que tem o objetivo de criar uma rede ainda mais humana com a participação ativa dos nossos pacientes e funcionários e instigá-los a compartilharem suas rotinas.

Para participar é simples:

1. Faça um vídeo ou tire uma foto que mostre a rotina do seu tratamento.

2. Poste nas suas redes sociais com a hashtag #voceON ou então nos envie em nossa conta oficial do Instagram por meio do direct.

3. Inspire outros pacientes nessa batalha diária!

A ideia é criar uma forma para que todos acompanhem suas trajetórias e compartilhem momentos e experiências que podem enriquecer o tratamento do próximo. Os vídeos e fotos podem ser produzidos nas mais diversas ocasiões, seja preparando algo para comer dentro da sua casa ou até durante o tratamento no Centro de Oncologia – CEON+.

Faça parte deste movimento e seja uma inspiração para muitos outros pacientes que fazem parte desta jornada!

Quais são os benefícios dos cuidados paliativos no tratamento oncológico?

Com o passar dos anos, os cuidados paliativos em pacientes que esgotaram todas as possibilidades de tratamento de manutenção ou prolongamento da vida se mostraram de extrema importância para promover uma maior qualidade de vida.

Essa modalidade de tratamento começou a ser praticada há quatro décadas no país e ganhou força a partir dos anos 2000, com mais pessoas procurando cuidados que visam aumentar o bem-estar de pacientes afetados por doenças como o câncer por meio da prevenção e controle de eventuais sintomas.

Autoridades no assunto afirmam que os cuidados paliativos devem iniciar da maneira mais precoce possível e, de preferência, a partir do diagnóstico. É importante ter em mente que, à medida que a doença avança, a abordagem deve ser intensificada em diversos aspectos que envolvem a saúde da pessoa.

Pensando nisso, o Centro de Oncologia – CEON+ separou alguns benefícios que esse tipo de procedimento pode trazer no tratamento oncológico:

1. Sintomas físicos

Com as medidas paliativas é possível controlar diversos sintomas que podem atrapalhar (e muito) o dia a dia do paciente.

  • Dores em diversas partes do corpo
  • Anorexia
  • Náusea, vômitos e diarreia
  • Fadiga e fraqueza
  • Insônia

2. Cuidados com a mente

Em momentos assim é importante falar sobre a saúde mental.

O tratamento paliativo do ponto de vista psicológico pode ajudar com problemas que vão afetar o convívio social como, por exemplo, a depressão e a ansiedade.

A hereditariedade como fator para o desenvolvimento do câncer

É de conhecimento geral que todo câncer tem origem genética. O que muitos não sabem é que, apesar disso, hereditariedade e câncer raramente estão relacionados.

É claro que existem exceções como o retinoblastoma, um tipo de câncer de olho que ocorre em crianças, além de outros fatores genéticos que fazem com que certas pessoas sejam mais sensíveis às condições em que o ambiente é cancerígeno.

No entanto, as alterações genéticas que dão origem a praticamente todos os tumores malignos acontecem em órgãos e tecidos não relacionados com a formação dos gametas – ou seja, as células que transmitem as características hereditárias.

Para se ter uma ideia, um estudo divulgado pelo National Cancer Institute (NIH) mostrou que apenas entre 5% e 10% dos casos de câncer se dão por um fator hereditário.

Mas então, qual realmente é a relação entre o fator hereditário e o câncer?

A maioria dos indivíduos nasce com duas cópias normais de cada gene – uma do pai e a outra da mãe. O câncer e a hereditariedade ocorrem quando um desses genes nasce com alterações. Neste caso, eles representam uma assinatura genética pré-determinada.

Em casos assim, a doença geralmente se apresenta de uma forma mais agressiva e pode causar sintomas incomuns dos demais tipos de câncer.

ATENÇÃO: É importante afirmar que nem todas as pessoas que nascem com uma alteração genética vão desenvolver algum problema. O que pode ocorrer é um aumento de suscetibilidade.

Hoje, graças aos avanços da tecnologia, é possível detectar de forma muito precoce o aparecimento de um câncer hereditário. Isso faz com que a pessoa seja orientada rapidamente sobre os riscos, além das opções de prevenção e tratamento.

Início do verão, o câncer de pele e o Dezembro Laranja

Com sete anos de história recém-completados, o Dezembro Laranja é mais uma campanha que visa conscientizar a população sobre o câncer, desta vez voltada ao câncer de pele.

O mês de escolha para essa campanha não poderia ser mais propício, já que em dezembro ocorre o início do verão.

Por isso, aproveitaremos esse post para falar um pouco mais sobre o câncer de pele, sobre a campanha e os cuidados que devem ser tomados pelas pessoas durante a estação.

1. O câncer de pele e o Dezembro Laranja

É um dos tipos de câncer com maior incidência no Brasil, com aproximadamente 180 mil novos casos a cada ano, e no mundo também.

Apesar do número altíssimo de casos, é também um câncer com uma grande probabilidade de cura, tendo em vista que, quando diagnosticado precocemente, apresenta mais de 90% de chance de sucesso do tratamento.

Esse é um dos principais motivos que faz do Dezembro Laranja uma campanha tão importante, tendo em vista que a prevenção é o melhor caminho para evitá-lo ou aumentar as chances da doença ser detectada em estágios iniciais.

O câncer de pele possui duas classificações distintas, sendo elas: melanoma e não melanoma.

No caso do melanoma, este é um tipo mais raro, que pode apresentar mais complicações para o paciente e que pode aparecer em qualquer região do corpo.

O não melanoma é mais frequente, apresenta menor gravidade e costuma ocorrer em regiões do corpo das quais estão mais expostas ao sol como, por exemplo, rosto, pescoço e orelhas.

2. O que pode aumentar o risco do câncer de pele e como se proteger dele?

Bom, como no verão é comum que as pessoas fiquem mais expostas ao sol, seja pelas frequentes idas à praia, piscina ou por fugir da rotina habitual, o alerta para o câncer de pele é ligado.

Isso porque um dos principais fatores dele é a exposição prolongada e repetida ao sol, principalmente nos períodos da infância e adolescência.

Além disso, pessoas que tenham pele e olhos claros ou são albinas representam uma maior possibilidade de desenvolver a doença, assim como aqueles que possuem história familiar ou pessoal de câncer de pele.

Desta forma, para reduzir a possibilidade da manifestação da doença, é preciso evitar a exposição prolongada ao sol entre 10h da manhã às 4h da tarde, usar a proteção adequada caso esteja na praia como, por exemplo, sombrinhas, barracas, chapéu com aba larga e óculos escuros com proteção UV.

É imprescindível o uso de protetor solar, que também deve ser retocado caso você fique por um tempo considerável de tempo sob o sol, mesmo que o produto seja considerado “à prova d’água”.

Novembro Azul: fechamento do mês da conscientização e cuidado com a saúde do homem

Durante o mês de novembro, preparamos uma série de conteúdos relacionados ao Novembro Azul.

Enfatizamos alguns aspectos sociais que contribuem para que os homens não realizem o acompanhamento profissional indicado e trouxemos dados que demonstram a razão pela qual devemos fortalecer cada vez essa campanha tão importante.

No último dia do mês, gostaríamos de reforçar o nosso compromisso com a saúde da população em todos os meses do ano, não apenas durante as campanhas, e comentar sobre uma ótima oportunidade, que pode trazer benefícios para si e para milhares de outras pessoas.

Diversos avanços têm sido alcançados em relação ao tratamento do câncer de próstata nos últimos anos em decorrência dos estudos clínicos conduzidos nacional e mundialmente sobre a doença.

Caso você conheça alguém que tenha câncer de próstata, indique o estudo do CEPHO e proporcione mais esperança e qualidade de vida para a pessoa!

Essa é uma grande oportunidade para receber um tratamento inovador, com suporte de médicos altamente qualificados e, além disso, contribuir para o desenvolvimento da medicina.

Não se esqueça da importância da prevenção para o sucesso do tratamento, portanto, caso você seja homem e possua mais de 45 anos, realize o exame de toque e faça o acompanhamento no período indicado pelo médico responsável.

Esse pode ser o grande diferencial entre um diagnóstico precoce ou avançado do câncer de próstata!

Não deixe a sua vida em segundo plano! Cuide de si, pois você é o bem mais precioso que há no mundo!

WhatsApp chat